sábado, 18 de agosto de 2012

**LINDO DIA 16/02/2012...é o que te desejo, a minha maneira

- Vou então te perguntar Princesa: Você tem certeza de que sabe amar ?
 - Claro Rainha! Sei tudo de amor.
 - Não foi isso que perguntei menina. Muitas pessoas sabem de amor, mas não sabem amar. Há até aquelas que amam loucamente, mas não sabem amar. Existe ainda as que amam, sabem de amor e sabem amar!
 - Ah! Minha Rainha, não sei se sei. Perguntei ao Príncipe: "Eu te amo. Você me ama? Ele então respondeu:" Sim, te amo." Mas parece que não sei entende? Vivemos brigando...
- Filha, amar quase sempre atrapalha a sabedoria do amor. Porque amar é um sentimento de necessidade nem sempre atendidas, de carência compensada, doação exercida ou entrega salvadora. E isso é intenso demais para coabitar com a sabedoria do amor. Saber amar! Muita gente prefere viver com alguém que sabe amar.
- É normal as duas pessoas se relacionarem mesmo sem saberem amar?
- Sim querida. Não está disposto na lei da vida que duas pessoas que se amam, sabem amar. Se uma delas não souber e outra sim, olha a relação rolando morro abaixo! O normal é as duas não saberem.
- Saber amar – continua a Rainha, não é a aceitação passiva do outro. É a existência ativa do amor latente, real ou adivinhado.

- Qual a diferença entre quem ama e quem sabe amar?
- Quem ama, quando cansa, pode voltar amar. Quem sabe amar, quando desliga é para sempre. E mais fácil afrontar a quem ama do que a quem sabe amar. Este conhece tanto a importância de seu sentimento, que quando o retira machucado, incompreendido ou ferido de morte, é para sempre. Saber amar é também ter a coragem das renúncias, bravura que raramente tem quem apenas ama.
Quem perde um amor perde muito menos do que quem perde alguém que sabe amar.
 Walkyria Garcia

**HORA da POESIA - Eduardo Rodrigues ( Tatanka ) - O NÓ DA VIDA

 O NÓ DA VIDA
       Eduardo Rodrigues
      (Tatanka)
 
 
            Nó, na beira da ponta,
        da corda estirada,
        esticada e amarrada.
        Só, em pontas cruzadas,
        em fios trocados,
        de pontas quebradas,
        que dão um nó.
        Nó, de forma pendente,
        na corda cipó, 
        amarrada num tronco,
        em forma de dó.
 
        Nó, na beira da ponta,
        segurando a corda com dor,
        pendurada ao vento,
        embaralhando e trepidando, 
        sem desatar o nó.
       
        Aumenta a angústia do nó,
        para libertar a corda da prisão.
 
        Só, sem pena nem dó,
        eu desato esse nó,
        para a vida fluir.
        Aponte, a ponta do nó,
        solte, para desfazer a agressão,
        sofrida pela corda, silenciosa,
        perenemente sóbria,  já estendida  no chão.
 
        Mutilou-se as fibras da corda,
        com a prisão do tempo que passou,
        na face cristalina do ódio, o alívio do nó,
        que acabou com a dor. 

**Hora da Poesia - Eduardo Rodrigues ( Tatanka ) - QuemSou

QUEM SOU
Eduardo Rodrigues (Tatanka)


Sou um descobridor de pessoas,
independente do estado de espírito,
fúria existencial,  ou caos.
Meu  olho é vazante, vejo as costas,sofro,
grito socorro, não me escutam.

Sou andante,  petulante,
carente, insinuante,
e, pela ladeira,
deixo meu rastro sujo de sangue.

Sou Deus todo poderoso,
desastrado e medroso,
vivendo em avenidas,
ruelas sem saídas,
andanças mortais.

Eu sou eu, pelo que sou,
com coragem, com gana,
sem maldade e com amor,
pelo caminho das pedras chegarei.

Eu sou fogo e sou água,
sou vento e tristeza,
um vendaval  indefinido,
uma canção extra vida.


**LINDO DIA 11/02/2012...é o que te desejo, a minha maneira

- Estou aqui pensando em como será meu viver futuro se estou amando um homem que é muito indeciso. – diz à Princesa Menina.

- Querida menina, responde a Rainha, a cada minuto do ser dia você escolhe como vai ser o seu viver no futuro. O que é chamado comumente de destino é uma criação tua com base em cada decisão tomada.

- Pois é. Amar um homem indeciso é ter vocação a solidão futura.

- Pode até ser se você assim o permitir. O Príncipe fica com medo de arriscar e assumir as conseqüências de seus atos porque não acredita em sua própria capacidade de realizar.

- E como posso fazê-lo entender esta sua falha de caráter sem magoá-lo?

- Querida, em sua infância ele escutou muito não: “Não se atreva!”, “Não dê palpites em assuntos que você não conhece”. Mais tarde, só sabem reconhecer o que não querem fazer.

- Isso mesmo Rainha. É firme no que não quer fazer, mas completamente indeciso sobre o caminho a seguir. Vive se torturando, sempre insatisfeito, reclamando de tudo. Fala que vai mudar, mas joga seu tempo fora reafirmando apenas o que não quer. Por vezes não consegue decidir porque se mobiliza com base apenas no que os outros pensam. Quer agradar aos outros, mas não conseguem agradar a si mesmo.

- Fale francamente como ele Menina. Aconselhe que ele não desperdice seu viver procurando a aprovação alheia. Ele tem que descobrir o que quer, pois isso é fundamental. E tem que assumir perdas, que sempre irá acontecer, pois vem atada a uma decisão.

- E se não der certo?

- Se não der certo, faça você o que decidir. A escolha é sua. O importante é saber como quer viver a sua vida.

Walkyria Garcia

**LINDO DIA 10/02/2012... é o que te desejo, a minha maneira

- Que carinha de choro Princesinha – diz a Rainha Menina. O que aconteceu?
- Ah! Minha Rainha, você sabe que eu mesma pinto meus cabelos para fazer economia. Aconteceu de ao passar pelo salão de cabeleireiro, me dei conta que não havia comprado a tinta. Sem pensar entrei e me entreguei ao ritual das mãos da profissional.
- Sim menina, e realmente ficou muito bom.
- Sabe Rainha, fiquei até assustada com a sensação de prazer que senti. Alguém fazendo algo para mim! Há muito tempo não me permitia gastar comigo mesma.
- Bem Princesa, até agora nada que justifique esta carinha de choro.
- Sim, mas ainda não contei o que veio a seguir. Chegue em casa toda feliz e encontrei o Príncipe que estava a minha espera e disse : “-Que demora. Onde você estava?” Pintando os cabelos, respondi. Ao que ele retrucou: “Estava jogando dinheiro fora?”
- Entendi. E por causa disso você está chorando?
- Não acha o bastante?
- Acho que não deve perder a oportunidade de refletir. Não é fácil entendermos que o outro fala, age de um ponto de vista que não o nosso, portanto não adianta esperar que ele veja o que está vendo, que sinta o que está sentindo, que valorize o que você valoriza. Por mais que dividam coisas, ele tem o próprio tempo e espaço, suas oscilações de humor, suas inquietações, seu universo particular, enfim.
- Acha que ele tem razão em me magoar assim?
- Não querida. Não tem. É evidente que as coincidências garantem momentos bem agradáveis na relação: rir das mesmas coisas, dividir o mesmo prato, perceber as mesmas sutilezas  de um filme, por exemplo. Reconheça, no entanto, que as diferenças são da mesma forma construtivas, pois nos dão possibilidade de aprender com o  outro; discutir, negar, ou aceitar outras formas de pensar e agir. E por fim criança, tenha sempre em mente que cada um de nós deve se responsabilizar pelo próprio prazer.
Walkyria Garcia

HORA da POESIA - Reginaldo Honório da Silva - O ADEUS DO OBSCENO

O ADEUS DO OBSCENO
© Reginaldo Honório da Silva
 
 
O Obsceno fechou os olhos e disse adeus
Não estive presente na despedida
Mas tenho em minha coletânea o seu legado
Não! Pelo amor de Deus!
Não tem nada a ver com as calcinhas
Distribuídas em alguns shows!!
Mas sim com a melodia cantada
Nas rádios da minha infância
E nas TV em preto e branco
Com tela de três cores
Para imitar a TV colorida dos ricos
As melodias que nada tinham de obscenas
Fosse o samba canção do início
Da sua jornada musical
Ou o romantismo da “Moça” e da “Gazela”
Da sensualidade da romântica
De “Eu Já Tirei a Tua Roupa”
“Deus Te Proteja de Mim”
Passando pelo sentimentalismo
De “Coisa Cristalina” e “Chora Coração”
Pelo medo de amar explicitado
Em “Senhorita, Senhorita”
À quase pornografia explicita
De “Gostosa”, “Safada” e “Obsceno”
Cantavam aos corações do mundo
O amor em todas suas formas
Seja ela romântica ou sensual
Muitas delas estão na minha coletânea
Fizeram parte dos meus sonhos adolescentes
Foram temas das minhas ilusões
E um indelével prazer de bem estar
Embalado em suas belas canções
Em seus belos batucados
E em sua forma quase indecente
De falar de amor, decentemente.
O Obsceno fechou os olhos e disse adeus
Mas deixou suas canções na despedida
Para enfeitar sonhos e adoçar lembranças.
 
Rio Claro, 08 de fevereiro de 2012.

**LINDO DIA 08/02/2012...é o que te desejo, a minha maneira

- Hoje estou muito cansado Rainha Menina. Só de pensar que ao chegar em casa vou ter que partilhar da exuberante energia da minha filha, me dá um calafrio – diz o Príncipe Menino.
- Que coisa mais triste meu menino. Ainda que seu dia a dia esteja um caos, cheio de pressões e cobranças, isso não pode apagar em você a capacidade de se emocionar com pequenas coisas e se contagiar com a energia de sua filha.
- Tenho me esforçado para ser um pai perfeito de uma filha perfeita.
- Querido, muitos pais destroem sua paz e a dos filhos por querer ser perfeitos e educar filhos perfeitos. No entanto, não existem nem pais nem filhos perfeitos. Somente Deus é perfeito, e nós somos seres em busca da evolução.
- Sinto que tens razão. Porém existe uma cobrança muito grande da sociedade.
- Filho, nós precisamos aceitar nossa falibilidade humana. Existe amor também quando um pai diz: “Filha, hoje estou cansado, com dor de cabeça, preciso de um tempo”. E é óbvio que nos momentos decisivos você vai saber superar qualquer crise. Na hora em que sua filha chegar chorando porque o namorado terminou com ela, você poderá dizer tranqüilamente: “Filha, me dê uns 15 minutos para tomar banho e esfriar um pouco a cabeça, e então a gente conversa”.
- Parar com isso de assumir a “síndrome de super homem”?
- Sim, e gostaria de lembrar mais uma coisa: você vai cometer erros. Apesar de todo o seu amor por sua filha, você vai fazer coisas que não vão funcionar. Errar faz parte da vida. Educar filhos não é algo matemático, é algo que depende da sensibilidade, do momento, da percepção.
Walkyria Garcia

**LINDO DIA 05/02/2012... é o que te desejo, a minha maneira

- Ai, ai, ai, ai, aiiiiiiiiiiiiiiiiii. Tudo dá errado. Chove cobras e lagartos sobre minha cabeça. – choraminga a Princesa.

- Menina, cada um recebe de acordo com o que dá. – diz a Rainha, e continua. Se você der ódios e indiferença, há de recebê-los de volta. Mas se você der atenção e carinho, há de ver-se cercado de afetos e amor.

- Quer dizer então que é preciso dar para receber?

- Claro filha. É a Lei deste viver. Dar para receber, plantar para colher.

- Então tá! Lei é lei. Agora me diz como faço isso Rainha se ninguém que nem ao menos se aproximar de mim?

- Com motivos. Ninguém se aproxima do espinheiro, por causa dos espinhos, nem do lodo, porque suja. Mas todos apreciam permanecer perto das flores, que espalham beleza e perfume.

Walkyria Garcia

** HORA da POESIA - Reginaldo Honório da Silva - A BOA NOVA DE SEMPRE

A BOA NOVA DE SEMPRE
© Reginaldo Honório da Silva
O Poeta da Estrada
 
Eis a boa nova de hoje
Um sorriso de bom dia
Um abraço de amigo
Um beijo de amor
 
Eis a boa nova de hoje
Um lindo céu azul
Um lindo gramado verde
E lindas rosas vermelhas
 
Eis a boa nova de hoje
Carros passam e buzinam
Fábricas apitam
Passarinhos cantam
 
Eis a boa nova de sempre
Diante dos problemas
A natureza me grita
Sorria, você está vivo.
 
Rio Claro, 15 de outubro de 2008

**LINDO DIA 03/02/2012... é o que te desejo, a minha maneira

- Como é possível dar razão ao coração se ele não tem lógica?- questiona a Princesa Menina.
 
- Filha – responde a Rainha - o Coração não tem lógica, mas tem sensibilidade. E se a questão de escolha entre a mente e o Coração se levanta, dê razão ao Coração, porque a mente é uma criação nossa e está sujeita a erros.

- E o que dirá então do coração, que é somente um órgão físico?

- Ah! Criança então você está falando de um coração físico . Este que bombeia o sangue não é de quem falo não. Falo do Coração Crístico, aquele que é um veículo que te liga ao Divino.

- Sei do que fala. É que este meu Coração vive dizendo que estou sem a razão em querer modificar o comportamento do Príncipe interferindo na privacidade dele.

- E teu Coração tem razão menina. Se você ama uma pessoa, então você não interfere na privacidade dela.A exigência básica do amor é:
"Eu aceito a outra pessoa como ela é". 

- Não devo então impor minhas condições? Devo aceitá-lo como ele é?

- Sim filha, se você ama a pessoa, não existem condições.

- É caso para eu pensar. Não aceito de peito aberto algumas atitudes dele. Já conversamos e ele insiste em não mudar.

- Então pense bem no assunto querida. Se você não ama, quem é você para impor condições? Estarem juntos é um aprendizado enorme - em perdoar, em esquecer, em compreender que o outro é tão humano quanto você.

Walkyria Garcia

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

**HORA da POESIA - Reginaldo Honório da Silva - A TUA INFÂMIA

TUA INFÂMIA
©Reginaldo Honório da Silva

 Quando deste teu hálito
Aos lábios que não eram meus
Foi como se o mais pesado trator
Passasse sobre meu peito

O peso da tua infâmia foi tanto
Que esmagou meu ego
Dilacerou minh´alma
E desintegrou meu espírito

No ocaso do que resta em mim
Que se podia chamar um dia amor
Explode doída nos últimos instantes
A tua insalubre e venal infâmia.

Rio Claro, 01 de fevereiro de 2012, às 11h20min

**HORA DA POESIA : Reginaldo Honório da Silva - UM DIA CONFESSO QUE TE AMO

UM DIA CONFESSO QUE TE AMO
Reginaldo Honório da Silva

Ah! Essa minha vida de paixões e desenganos
O certo e o errado na bagunça dos meus planos...
Qualquer dia desses perco o controle
E confesso que te amo.

Ah! Esses pedaços de pecados no caminho
Pedras sobre pedras o coração em desalinho...
Qualquer dia desses perco o controle
E confesso que te amo.

Ah! Esses desencontros, coisas que só amor faz
Algo diferente, alguma coisa, algo mais...
Qualquer dia desses perco o controle
E confesso que te amo.

Ah! Esses momentos que não se sabe o que faz
Faz bobagens, briga chora e nada faz...
Qualquer dia desses perco o controle
E confesso que te amo.

Ah! Se tudo isso fosse nada mais do que poesia
Rabiscando musas nos contornos das inspirações
Jamais em minha vida perderia o controle
Diria sem medo nem mistério, que te amo.

Rio Claro, 31 de janeiro de 2012, às 17h50min

**LINDO DIA 30/01/2012...é o que te desejo, a minha maneira

- Estou cansada dessa conversa – diz a Princesa Menina aos seus botões.

- O que está murmurando ai Princesa? – pergunta a Rainha Menina.

- Dessa conversa mole do Príncipe. É sempre a mesma coisa. É sempre a mesma desculpa. Quando ele começa a falar de uma determinada forma eu sei muito bem o que ele vai dizer.

- Está faltando diálogo menina. E dialogar significa que um fala e o outro ouve e depois um ouve e o outro fala. Definitivamente, não é diálogo quando um só fala e o outro só ouve.

- E eu e ele não temos diálogo? Claro que temos. Falamos o tempo todo. Infelizmente só estamos acumulando acusações e ofensas.

- Claro filha. Infelizmente é o que mais acontece nas relações. Os dois falam, mas nenhum dos dois ouve! Os dois estão abarrotados de suas próprias verdades, atolados de suas próprias convicções e, portanto, indisponíveis para se interessar pelas verdades do outro.

- Bom, mesmo assim Rainha, eu gostaria de tentar salvar meu relacionamento com o Príncipe. O que me aconselha?

- Filha, antes de começar uma conversa, especialmente aquelas mais difíceis, para as quais já vai tensa, você deveria se esvaziar de teus conceitos e preconceitos. Dessa maneira chegaria de fato ouvir o que ele tem a lhe dizer. Isso sim é desejar o consenso, é querer realmente um entendimento; é saber o verdadeiro significado da chance soberana que nos é dada de nos relacionarmos com as pessoas, seja lá sob qual pretexto for. O que importa de fato não é o tema discutido nem tampouco a sua opinião. O intuito de se aprender a ler o coração do outro isto é, ouvir o que ele tem a dizer, vai além de qualquer assunto : apresenta-se como o único caminho que nos conduz à oportunidade de nos tornarmos pessoas melhores.

Walkyria Garcia

**LINDO DIA 27/01/2012...é o que te desejo, a minha maneira

- Qual o aprendizado hoje Rainha Menina – pergunta a Princesa.
 - Hoje vamos aprender a reconhecer quando uma etapa de nosso viver chega ao final.
- Um ciclo que se encerra.
- Não importa o nome que vamos dar. O que importa é deixar no passado os momentos de vida que já se acabaram. Se insistimos em permanecer nestes momentos mais do que o tempo necessário, perdemos o sentido das outras etapas que precisamos viver, e com isso perdemos a alegria do viver.
- Mais é difícil entender Rainha Menina a razão que levarão certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em nosso viver terminarem assim, em nada. Por que isso acontece?
- Porque chegou a hora de acabar simplesmente isso. Algumas coisas são eternas, mas são poucas e, o que é eterno permanece inabalável mesmo diante de situações difíceis. Observe esse detalhe e aprenda a discernir situações, sinta sua alma, seu coração. Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.
- E como fazemos isso?
 - Seja você mesma, porque acabamos vivendo muitas vezes o que os outros querem que sejamos. Lembre-se “Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão”.
Nada no Universo acontece por acaso e devemos aceitar também os presentes que estamos recebendo por merecimento, fique atento e tome o que JÁ É SEU!
Walkyria Garcia

**LINDO DIA 23/01/2012...é o que te desejo, a minha maneira

- Olá Príncipes queridos, bom dia.
 - Bom dia Rainha Menina, responderam todos em uníssono.
- Hoje, como semeadores conscientes, que espalham diariamente milhos de sementes ao nosso redor, iremos fazer um teste para saber se estão semeando as melhores sementes.
- Certo Rainha Menina, pode começar comigo.
- Vamos lá então Princesa Menina. Diga-me, por favor, quem planta árvores o que colhe?
- Fácil. Colhe alimentos.
- E se você plantar trigo?
 - Ah, colho o pão.
- Muito bem menina. Diga-me então o que devo plantar para colher perfume?
- Deve plantar flores minha Rainha.
- E para colher confiança?
- Deve plantar a verdade.
- Ótimo. Sabe me dizer o que vou colher se eu plantar fé e carinho?
- Sim, eu sei. Quem planta fé, colhe a certeza.
Quem semeia carinho, colhe gratidão.
 - Excelente. E se eu plantar tristeza?
- Ah, isso não sei não. Quem pode responder é o Príncipe Zangado.
- Posso responder sim. Vivo colhendo. Planto tristeza e colho desconsolo.
- O que mais você planta e colhe Príncipe?
- Muita coisa nesse meu viver ruim. Semeio tristeza e colho desconsolo; planto discórdia e colho solidão; semeio vento e colho tempestade; planto ira e colho desafeto; semeio descaso e colho um adeus; planto injustiça e colho abandono.
- Pode parar de relacionar Príncipe Zangado. É muita colheita ruim mesmo. Agradeço teus exemplos pois assim todos poderão saber o que irão colher quando semearem. Que possamos escolher sempre as melhores sementes, para que, ao recebermos a dádiva da colheita farta, tenhamos apenas motivos para agradecer.
 
Walkyria Garcia